GDM:: Presidente da MAG demite-se e Ratilal tenciona segui-lo

Desportivo de Maputo alcança estado geral de ingovernabilidade: João Figueiredo demitiu-se do cargo de presidente da Mesa da Assembleia-Geral e a Direcção Executiva, essa liderada por Paulo Ratilal, reúne hoje para se decidir.

Texto: David Nhassengo

O gestor bancário decidiu demitir-se na sequência do novo chumbo dos relatórios de contas dos exercícios económicos de 2019, 2020 e 2021, apresentados sábado último, 18 de Junho, pela direcção, em Assembleia-Geral Extraordinária.

Os referidos documentos foram objecto de primeira reprovação na reunião magna havida a 07 de Maio último, esta que na verdade deveria ter ocorrido a 02 de Abril – mas que acabou adiada por falta de tonner na impressora que deveria multiplicar a documentação a ser discutida.

Naquele dia – de 07 de Maio – os sócios reprovaram a documentação e exigiram a sua correção, sem no entanto detalharem os pontos. “Corrijam e voltem”, apenas recomendaram, para a fúria da direcção presidida por Paulo Ratilal que entendia ter apresentado as mais fiéis demonstrações financeiras dos respectivos exercícios.

Mais do que isso, o chumbo grosso significava que o clube não podia temporariamente ir ao mercado buscar financiamento para as suas actividades. Nem firmar parcerias. Seria ilegal às luz dos estatutos.

18 de Junho!

Após o chumbo, os presentes concordaram com o agendamento, para esta data, da realização de uma nova Assembleia-Geral Extraordinária na qual seriam apresentados os documentos já corrigidos.

18 de Junho. É igualmente esta, a data, que fez transbordar o já pequeno vaso de confiança de João Figueiredo. Pelos acontecimentos registados no encontro estatutário com os sócios.

É que os relatórios de conta dos três referidos anos (2019, 2020 e 2021) voltaram a ser chumbados. Desta vez com a alegação de que os mesmos não foram corrigidos tal como a recomendação.

Figueiredo viu naquele chumbo gestos preocupantes que colocavam em combustão o clima entre a direcção e os sócios. E a sua imagem, de gestor bancária, não podia continuar a servir de mediadora de uma guerra sem quartel. Demitiu-se, mas alertou, em Carta Mz que “há aves de rapina que querem vender as instalações do clube”.

Ratilal pondera demitir-se

A saída de João Figueiredo – tido como figura protectora de Paulo Ratilal – causou um movimento sísmico a nível da direcção executiva do emblema Alvinegro. E, por esse motivo, o elenco viu a continuidade do seu mandato pendurado num fio tão fino.

E, a demissão em bloco, é uma opção viva. Confessou-se Paulo Ratilal, em declarações à STV, que até hoje diz não compreender os motivos para tamanha sabotagem ao seu trabalho que, graças ao mesmo – tem alegado – tem contribuído para melhorar os indicadores económicos do clube.

Foto: O País

Não vou dizer que não me vou demitir, porque a vontade é mesmo essa. Lidar com aquele tipo de pessoas faz-me pensar em abandonar o cargo”, confessou-se o dirigente, explicando que uma decisão deverá ser colegial, responsável, pelo que vai a análise na reunião de direcção a ter lugar esta quarta-feira, 22 de Junho.

Sobre a saída de Figueiredo, o actual presidente do Desportivo de Maputo disse não ser surpreendente “dada a situação actual em que o clube está”. E anotou que “teria feito o mesmo se fosse o presidente da Assembleia-Geral…De tentar realizar uma assembleia e não conseguir”. [OC]

One comment

Deixe uma Resposta para Gulamo Suriname Gulamo Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s