MAMBAS: Horácio Gonçalves afastado do cargo de seleccionador para estabilidade do balneário

Foi para salvar a estabilidade do balneário que a Federação Moçambicana de Futebol precipitou na manhã deste sábado, 16 de Outubro, o afastamento de Horácio Gonçalves do cargo de seleccionador nacional de futebol.

Texto: David Nhassengo

O despedimento do técnico português, de 58 anos, foi durante a reunião de balanço da dupla jornada diante de Camarões, de apuramento ao Mundial de Futebol, Qatar2022, na qual os Mambas perderam por 3-1 em Doualá e 1-0 em Tânger, Marrocos.

A reunião que culminou com a saída do seleccionador decorreu através da plataforma digital ZOOM, em virtude de o técnico encontrar-se em Portugal a gozar de férias de 10 dias, essas que se seguiram aos dois encontros. Foi autorizado pela Federação Moçambicana de Futebol a seguir de Tânger a Guimarães, sua terra natal.

A gota que fez transbordar o vaso de confiança a Horácio Gonçalves foi, na verdade, um encontro mantido semana passada entre os atletas, a FMF e a Secretaria de Estado do Desporto, a pedido dos primeiros para a discussão dos problemas de balneário gerados pelas convocatórias do seleccionador, com o agravante de, para a dupla jornada diante de Camarões, alguns não terem comparecido como são os casos de Mexer Sitoe, Kamo-Kamo e Witi.

Durante o referido encontro, que também decorreu através das plataformas digitais, os atletas presentes pediram, de forma unânime, o afastamento da equipa técnica como a única forma de se resgatar uma paz social necessária para Mambas pensarem só no futebol.

Aliás, chegaram a referir que, apesar de respeitarem as decisões do treinador como figura soberana, as suas tácticas contribuem para o sub-rendimento dos atletas. Ou seja, culparam o seleccionador por os Mambas nunca serem tidos nem achados competitivos em nenhum dos quatro encontros de apuramento ao Mundial.

Diante do movimento sísmico criado pelos atletas, a FMF decidiu antecipar, para a manhã deste sábado, 16 de Outubro, a reunião com o seleccionador nacional, essa que deveria decorrer assim que ele regressasse a Maputo.

Nele, a direcção executiva da federação fez saber ao técnico de que já não contava com os seus préstimos não só pelos maus resultados, mas também para devolver a competitividade dos Mambas e resgatar a paz social no balneário.

Ao que apurou OC, depois de lhe ser comunicada a saída, o técnico chegou a abdicar da indemnização a que tem direito, até porque publicamente nunca escondeu que, caso fosse obrigado a abandonar o cargo, sairia sem cobrar um tostão.

Contratado em Abril último e, com um contrato válido por dois anos e meio, Horácio Gonçalves deixa os Mambas ao fim de 12 jogos que resultaram em três vitórias, quatro empates, cinco derrotas e um pobre Torneio Triangular tirado ao Lesotho e Suazilândia. [OC]

One comment

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s