Ameaça de desistência do Incomáti não agradou a ninguém

A ameaça de desistência do Moçambola feita pelo Incomáti de Xinavane, por conta da actuação dos árbitros, não caiu bem para a Liga Moçambicana de Futebol (LMF). Patrocinadores incomodados.

Texto: Redacção OC

Sem fazer o juízo do valor das reivindicações para não alimentar a polémica e também para não tomar partido, a entidade gestora do Moçambola entende que houve exagero por parte do Incomáti ao ameaçar desistir da prova.

Assim sugeriu Augusto Pombuane, vice-presidente da LMF, que falava para os microfones da Rádio Moçambique durante o balanço da primeira volta do Campeonato Nacional de Futebol.

Para Pombuane, é papel principal dos gestores dos 14 clubes defenderem a imagem da prova devendo, por isso, distanciarem-se deste tipo de pronunciamentos que nada abonam.

Por outro lado, o vice-presidente da Liga pediu aos árbitros que contribuam também para o bom espectáculo do futebol moçambicano e que deixem de ser os principais protagonistas a cada jornada.

Ameaça criou mal-estar nos patrocinadores

A ameaça do Incomáti agitou também alguns patrocinadores da prova que chegaram a questionar a LMF sobre os efeitos de uma provável desistência a nível financeiro e de planificação.

Mas quem se viu mesmo sacudida por uma tempestade perfeita foi a empresa Linhas Aéreas de Moçambique (LAM) que se viu plantada por aquele clube.

Conforme apurou OC-Olho Clínico, até quinta-feira, 05 de Agosto, o Incomáti de Xinavane não tinha enviado a lista de atletas, técnicos e oficiais que deveriam embarcar, no dia seguinte, para a cidade da Beira – de onde seguiriam de estrada para Chimoio, para o jogo diante do Textáfrica a 08 de Agosto.

Por via disso, o avião das LAM acabou partindo com destino a cidade da Beira na manhã de sexta-feira, 07 de Agosto, com 23 lugares vazios, esses que deveriam ser ocupados pela delegação de Incomáti.

Uma ocorrência que provocou enormes prejuízos para as contas da companhia de bandeira e também para a Liga de Clubes.

E foi diante da iminência da primeira falta de comparência no Moçambola2021 que altos quadros da Secretaria de Estado do Desporto e da LMF intercederam, tendo por fim conseguido convencer o Incomáti a deslocar-se de Xinavane a Chimoio por via terrestre. A equipa só chegou no campo da Soalpo a 20 minutos do apito inicial.

Para todos os efeitos, o clube já informou que desistiu da ideia de abandonar a prova, ao menos por essa porta tão pequena que, por castigo, ficaria fechada para sempre para aquele emblema. [OC]


[*Quer duplicar o valor do teu primeiro depósito? Regista-te agora na http://www.jogabets.co.mz usando o Promo Cod 530051. Vamos?]

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s